COMUNICAÇÃO NA IGREJA

Em termos pastorais, pode-se dizer que a Igreja sempre se interessou pela comunicação e vem evoluindo ao longo dos séculos. Desde a encíclica Vigillanti Cura (1936), direcionada aos bispos  americanos, sobre a indicação ou não de filmes  no cinema até os dias atuais, com o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil, Doc. 99 da CNBB, 2014, quando  “lança um olhar sobre a Igreja em sua dimensão missionária e aspira que todas as pessoas, setores e organismos vinculados à Igreja não se sintam alheios ao grande plano de comunicação que se espera ver realizado e plenamente estabelecido em todas as instâncias da vida eclesial”. O Diretório de Comunicação diz que a Pascom se estrutura a partir dos documentos da Igreja, dos estudos e pesquisas na área da comunicação e das práticas comunicativas vividas e experienciadas pelas comunidades e grupos, tornando-se o eixo de todas as pastorais. (n.244).

Eixos da Pascom

A Pascom não se limita a ações isoladas, como produção de informativos, construções de sites e outros meios. Tudo isso deve fazer parte de uma política global que gere comunhão e interatividade, alicerçada em quatro eixos: 1) formação, 2) articulação, 3) produção e 4) espiritualidade, que são as dimensões do projeto nacional da Pascom. A Pascom, sustentada por esses eixos, deve incentivar a reflexão e estimular ações com sentido comunicativo, que conduzam à comunhão e à ação evangelizadora. (Doc. 99, CNBB, n.249).

“A espiritualidade constitui o alicerce de todos os eixos. Sem a prática e a vivência da espiritualidade, o comunicador esvazia-se, fragiliza-se como sujeito e torna-se vulnerável às dificuldades que se apresentam ao longo do caminho”. (Doc. 99, CNBB, n.253).

“A educação e a formação para a comunicação devem fazer parte integrante da formação dos agentes de pastorais e dos sacerdotes”. (Aetatis novae, n.18).

Atenta a essa necessidade, a Pastoral da Comunicação da Regional Leste 2 (Minas Gerais e Espírito Santo), da CNBB, realizou nos dias 2 e 3 de junho, em Belo Horizonte, o I MUTIRÃO REGIONAL DA COMUNICAÇÃO; direcionado a bispos, padres, religiosos, agentes da Pascom e profissionais de comunicação com o objetivo de estreitar vínculos, trocar experiências, consolidar a caminhada pastoral do Regional Leste 2, o evento contou com a presença de 19 das 32 (arqui)dioceses. Da Diocese de Guanhães estiveram presentes os comunicadores Fernando Araújo e Ronion Barroso, da Rádio Vida Nova FM, emissora católica da Diocese, e Mariza Pimenta, da Folha Diocesana. Para a abertura do evento, estiveram presentes Dom Darci José Nicioli, presidente da CNBB para a Comunicação e atual arcebispo e Diamantina; padre Roberto Marcelino, Secretário Executivo do Regional Leste 2, e Dom Gil Antônio Moreira – Bispo Referencial do Leste 2 para a Comunicação e Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora. Na abertura, dom Gil ressaltou a necessidade de a Igreja investir na Comunicação “sem investir, ficaremos para trás e a Igreja não cumprirá seu papel; A Igreja é responsável por continuar a Boa Nova de Jesus”. Sobre a mídia atual, ele questionou: “Cristo está presente nas telas?” Dom Gil permaneceu no encontro até o encerramento, quando presidiu a Celebração Eucarística. Dom Darci falou sobre a mensagem do Papa Francisco e enfatizou : “Se não formos íntimos de Cristo, o que vamos comunicar?”

O I MUTICOM contou com a assessoria do Professor Mozahir Salomão Bruck, padre Antônio Camilo Vieira, de Juiz de Fora; padre Rafael Vieira, assessor de Imprensa da Pascom CNBB, e Dra Helen Sardenberg, delegada de Polícia, que abordou o assunto “Crimes na Internet”. Oficinas de Fotografia, Sonorização, Produção de Textos, Redes Sociais e Pascom foram disponibilizadas aos participantes.

Padre Rafael Vieira, em sua palestra, citou Joana Puntel: “Não basta dispor de meios ou de instrumento profissional; é preciso uma formação cultural, doutrinal e espiritual, bem como considerar a comunicação mais do que um simples exercício da técnica”. “O maior agente de Comunicação na paróquia é a secretária”;  “É preciso que a Comunicação (Pascom) tenha a marca da espiritualidade”, disse padre Rafael Vieira.

Com o Tema: “’Não tenhas medo, que Eu estou contigo’ (IS 43,5). Comunicar esperança e confiança no nosso tempo”, Papa Francisco dirigiu-nos mensagem pelo 51º Dia Mundial das Comunicações, comemorado dia 28 de maio:

“A todos quero exortar a uma comunicação construtiva, que, rejeitando os preconceitos contra o outro, promova uma cultura do encontro por meio da qual se possa aprender a olhar, com convicta confiança, a realidade”.

“Gostaria que esta mensagem pudesse chegar como um encorajamento a todos aqueles que diariamente, seja no âmbito profissional seja nas relações pessoais, ‘moem’ tantas informações para oferecer um pão fragrante e bom a quantos se alimentam dos frutos da sua comunicação. A todos quero exortar a uma comunicação construtiva, que, rejeitando os preconceitos contra o outro, promova uma cultura do encontro por meio da qual se possa aprender a olhar, com convicta confiança, a realidade”.

“Creio que há necessidade de romper o círculo vicioso da angústia e deter a espiral do medo, resultante do hábito de se fixar a atenção nas ‘notícias más’ (guerras, terrorismo, escândalos e todo o tipo de falimento nas vicissitudes humanas). Não se trata, naturalmente, de promover desinformação onde seja ignorado o drama do sofrimento, nem de cair num otimismo ingênuo que não se deixe tocar pelo escândalo do mal. Antes, pelo contrário, queria que todos procurássemos ultrapassar aquele sentimento de mau-humor e resignação que muitas vezes se apodera de nós, lançando-nos na apatia, gerando medos ou a impressão de não ser possível pôr limites ao mal. Aliás, num sistema comunicador onde vigora a lógica de que uma notícia boa não desperta a atenção, e por conseguinte não é uma notícia, e onde o drama do sofrimento e o mistério do mal facilmente são elevados a espetáculo, podemos ser tentados a anestesiar a consciência ou cair no desespero”.

“Gostaria, pois, de dar a minha contribuição para a busca dum estilo comunicador aberto e criativo, que não se prontifique a conceder papel de protagonista ao mal, mas procure evidenciar as possíveis soluções, inspirando uma abordagem propositiva e responsável nas pessoas a quem se comunica a notícia”.

“O Reino de Deus já está no meio de nós, como uma semente escondida a um olhar superficial e cujo crescimento acontece no silêncio. Mas quem tem olhos, tornados limpos pelo Espírito Santo, consegue vê-lo germinar e não se deixa roubar a alegria do Reino por causa do joio sempre presente”.

“A esperança fundada na boa notícia que é Jesus faz-nos erguer os olhos e impele-nos a contemplá-Lo no quadro litúrgico da Festa da Ascensão. Aparentemente o Senhor afasta-Se de nós, quando na realidade são os horizontes da esperança que se alargam”.

“A confiança na semente do Reino de Deus e na lógica da Páscoa não pode deixar de moldar também o nosso modo de comunicar. Tal confiança que nos torna capazes de atuar – nas mais variadas formas em que acontece hoje a comunicação – com a persuasão de que é possível enxergar e iluminar a boa notícia presente na realidade de cada história e no rosto de cada pessoa”.

“Quem, com fé, se deixa guiar pelo Espírito Santo, torna-se capaz de discernir em cada evento o que acontece entre Deus e a humanidade, reconhecendo como Ele mesmo, no cenário dramático deste mundo, esteja compondo a trama duma história de salvação. O fio, com que se tece esta história sagrada, é a esperança, e o seu tecedor só pode ser o Espírito Consolador. A esperança é a mais humilde das virtudes, porque permanece escondida nas pregas da vida, mas é semelhante ao fermento que faz levedar toda a massa. Alimentamo-la lendo sem cessar a Boa Notícia, aquele Evangelho que foi «reimpresso» em tantas edições nas vidas dos Santos, homens e mulheres que se tornaram ícones do amor de Deus. Também hoje é o Espírito que semeia em nós o desejo do Reino, através de muitos «canais» vivos, através das pessoas que se deixam conduzir pela Boa Notícia no meio do drama da história, tornando-se como que faróis na escuridão deste mundo, que iluminam a rota e abrem novas sendas de confiança e esperança”.

Acesse: https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/communications/documents/papa-francesco_20170124_messaggio-comunicazioni-sociali.html e leia, na íntegra, a mensagem do Papa Francisco.

Texto: Mariza da Consolação Pimenta Dupim – Pascom Diocesana de Guanhães

Fotos: Imagens da Internet e Ronion Barroso.

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: