Bíblia e Liturgia da Palavra: a espiritualidade do profeta Isaías para o Ano Litúrgico.

BÍBLIA E LITURGIA DA PALAVRA: A ESPIRITUALIDADE DO PROFETA ISAÍAS PARA O ANO LITÚRGICO.

Segundo a Dei Verbum “a Igreja venerou sempre as divinas Escrituras como venera o próprio Corpo do Senhor, não deixando jamais, sobretudo na sagrada Liturgia, de tomar e distribuir aos fiéis o pão da vida quer da Mesa da Palavra de Deus, quer da do Corpo de Cristo” (Dei Verbum. N. 21.). A leitura da Bíblia para a Igreja Católica tem algo de singular, pois através da Tradição Litúrgica, a Igreja propõe ao longo do Ano leituras bíblicas que fundamentam e ajudam na celebração dos Mistérios do Cristo; assim, “cada ação litúrgica está, por sua natureza, impregnada da Sagrada Escritura” (Verbum Domini. N. 52.). Desse modo a Constituição Dogmática sobre a Liturgia ao falar das presenças de Cristo e sua importância para a Mesa da Palavra diz que: “Cristo está presente na sua palavra, pois é ele quem fala quando na Igreja leem as Sagradas Escrituras” (Sacrossanctum Concilium.N. 7.). Por isso, a mesma Constituição diz “para que a Mesa da Palavra de Deus seja preparada com maior abundância, abram-se largamente os tesouros da Bíblia para que sejam lidas ao povo as partes mais importantes da Sagrada Escritura” (Sacrossanctum Concilium. N. 51.).

Seguindo a pedagogia do Ano Litúrgico, a Mesa da Palavra propõe aos batizados leituras das páginas mais importantes da Bíblia que, guiadas pelos Mistérios de Cristo, nos propõem um vínculo inseparável entre a mesa da Palavra e mesa da Eucaristia. Assim, Palavra e Eucaristia constituem os pilares de nossa fé e de nossa espiritualidade (Cf. Verbum Domini. N. 54.).

Desde o primeiro domingo do Advento iniciamos um novo ciclo de leitura da Bíblia na Liturgia da Igreja, chamado Ano A, dedicado à leitura do Evangelista Mateus. No entanto, também temos uma extensa leitura do profeta Isaías nesse período, uma vez que, nossa Tradição vê uma ligação intrínseca entre o Novo e Antigo Testamento, pois, “o próprio Novo Testamento se diz em conformidade com o Antigo e proclama que, no mistério da vida, morte e ressurreição de Cristo, encontraram o seu perfeito cumprimento as Escrituras Sagradas do povo judeu” (Cf. Verbum Domini. N.40.). Por isso, a importância desses textos na Liturgia é insubstituível (Cf. Verbum Domini. N. 41.). Para explicarmos melhor, subdividiremos em Blocos temáticos conforme segue abaixo:

 

A espiritualidade do Profeta Isaías para o Ano A

 O Profeta e sua Obra

O livro do profeta Isaías é o mais extenso de toda Sagrada Escritura. Composto por 66 capítulos que podem ser divididos em três partes: (a) Cap. 1-39; (b) Cap.40-55; (c) Cap.56-66. O profeta Isaías é filho de Amós. Teve sua atividade desenvolvida em Jerusalém entre os anos 735-700 durante os reinados de Ozias, Joatão, Acaz e Ezequias (Cf. Is 1,1). O contexto nos mostra a aliança com o Egito e que o domínio da Síria será fortemente condenado pelo profeta. Isaías iniciou sua missão ainda muito jovem, provavelmente com 20 anos. Deus o chamou para denunciar os pecados do povo e a destruição de Israel, em contrapartida, vemos também uma grande expectativa de esperança com a vinda do Messias, conforme ele mesmo nos diz: “Virão muitos povos e dirão: Venham, subamos ao monte do Senhor, ao templo do Deus de Jacó, para que ele nos ensine os seus caminhos, e assim andemos em suas veredas. Pois a lei sairá de Sião, de Jerusalém virá a palavra do Senhor” (Cf. Is 2,3).E principalmente em sua profecia que é singular para a Tradição católica sobre a mãe do messias: “o próprio Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Emmanuel, que significa Deus Conosco” (Cf. Is 7,4).

O profeta na Liturgia da Palavra

Se a obra de Isaías é bem extensa, por outro lado, sabemos que a Liturgia da Palavra constitui-se de três ou quatro leituras bíblicas, sendo que, salvo raríssimas exceções, a primeira leitura é sempre do Antigo Testamento. Assim, para esse novo Ano Litúrgico, temos como foco as leituras do Profeta Isaías. Sua peculiaridade é tanta que, dento da Liturgia, em nenhum dia do Advento ele deixa de ser lido. O fato dessa leitura intensa não é por acaso, está fundamentada na relação que existe entre a preparação da vinda do Messias e o seu cumprimento com o nascimento de Jesus. Desse modo, entendemos que Isaías tem um vínculo espiritual com o período do Advento. Não obstante, nenhum outro profeta disse que o Messias se chamaria “Emmanuel, Deus conosco”, e também, “nasceu para nós um menino, que será conselheiro do Altíssimo e levará sobre os seus ombros o império” (Cf. Is 9,5-6).

De modo pedagógico, que é algo próprio da Liturgia da Palavra, a leitura do profeta Isaías é distribuída em quatro blocos, a saber: Advento-Epifania; Batismo do Senhor-Tempo, Tempo Comum (25ª à 27ª semana).

Isaías no Advento e Natal

Assim, no primeiro bloco lemos o profeta desde os primeiros dias do Advento até 17 de dezembro. As leituras desse período contemplam o perigo da invasão assíria, a Queda do Reino do Norte (721), e dez anos mais tarde, a tomada de Jerusalém. O profeta insiste que não se devem fazer alianças com os poderes desse mundo, pois se deve esperar unicamente o auxilio que virá de Deus. Assim, o conteúdo desses textos é uma temática muito apropriada para o tempo do Advento, no qual a Liturgia busca intensificar sua esperança na vinda do Cristo nos inserindo na História da Salvação.

 

A partir de 17 de dezembro, o contexto das leituras do profeta Isaías muda de foco, pois se inicia o período de leituras sobre Jerusalém invadida por Ciro, o rei da pérsia. Nesse contexto trágico, o povo é feito escravo e renasce a perspectiva da vinda do Messias. Para essa fase, os textos do profeta colocados na Liturgia são cheios de otimismo e esperança; por isso, ajudam a Igreja por meio de sua proclamação, refazer a caminhada de fé e centralizar sua esperança no Messias, Jesus Cristo, que está vindo. O último Domingo do Advento a leitura do profeta gera uma expectativa litúrgica muito forte, pois é colocada a narrativa em que o Rei Acaz, diante das desgraças vividas pelo povo, Deus mesmo, dá-lhe um sinal, dizendo pela boca do profeta: “eis que uma virgem conceberá e dará a luz um filho” (Cf. Is 7,14). Assim, essa leitura gesta nos fiéis a expectativa e ao mesmo tempo, a confirmação, para o nascimento do Messias que será o nosso Salvador, Jesus Cristo.

Nas Celebrações do Natal, temos a presença do profeta nas Missas da Vigília, Vespertina e do Dia do Natal do Senhor. As leituras são distribuídas com os respectivos temas: Missa do Galo: Foi-nos dado um filho (Is 9,1-6); Missa Vespertina: Eis que vem o teu Salvador (Is 62,11-12) e Missa do Dia do Natal: Todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus (Is 52,7-10). Desse modo, fecha-se o ciclo de leitura do profeta e retorna conforme veremos abaixo.

Isaías entre a Epifania e Batismo do Senhor

No período após o Advento, chamado de Epifania, a liturgia lê a terceira parte do livro de Isaías, como, por exemplo, no dia da Epifania lemos Is 60,1-6, que versa sobre o tema do brilho do Senhor; e no dia do Batismo, lemos Is 42,1-4. 6-7, que aborda o tema do servo de Deus.   Estas são leituras compostas depois do Exílio, assim, o povo está cheio de esperança para recomeçar diante das dificuldades de reconstruir Jerusalém; porém, o profeta assegura que Deus está com eles (Is 42,6-7). Desse modo, para nossa espiritualidade bíblica, essas leituras nos asseguram que Deus está conosco e que somos o Novo Templo de Deus, em que Ele habita (1Cor 3,16). Contudo, nós somos tidos como lugares da morada divina, ou seja, pessoas epifânicas que manifestam para o mundo a presença de Deus em suas vidas. Assim, entende o significado para nós da liturgia da Epifania do Senhor, que se encerra o ciclo da leitura do Profeta Isaías.

Isaías no Tempo Comum

A leitura do profeta nesse período litúrgico também é significativa, pois há intercalação com o Evangelho de Mateus ocasionando leitura em tempo contínuo e intercalado. Por isso, Isaías será lido no 2º. 3º. 5º. 8º. 15º. 18º. 20º. 21º. 25 -º 29º Domingos do tempo Comum do Ano A.

 

Conclusão

Com essa breve explicação sobre a relação Bíblia e Liturgia da Palavra, quisemos expor o modo peculiar da leitura bíblica dentro da Liturgia e, consequentemente, para toda a Igreja. Desse modo, é importante que os fiéis se dediquem à leitura da Palavra de Deus seguindo o ritmo litúrgico para beber da espiritualidade bíblico-litúrgica. Não obstante, penso que, com essa breve exposição, seja importante sublinhar que, para quem não conhece a Liturgia da Igreja diz de modo bastante simplório que “católico não conhece ou não lê a bíblia”. O que demonstramos não ser verdadeiro, ao menos para a nossa Tradição Litúrgica que, em uma liturgia semanal, lê três leituras bíblicas. Outro dado importante para se frisar é que para nossa Tradição não se separa a Mesa da Palavra da Mesa da Eucarística. Em outras palavras, não se separa Missa de Leitura Bíblica, pois uma faz a outra e vice-versa.

 

Autor: A-R AMARAL. É seminarista da Diocese de Guanhães. Licenciado em Filosofia e Bacharel em Teologia pela PUC-RIO. Mestrando em Teologia Bíblica pela mesma Universidade. Pós-graduado em Ensino da Filosofia pela Universidade Candido Mendes-RJ e História do Brasil pela Faculdade de São Bento-RJ. Atualmente exerce seu ministério pastoral na Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio.

 

A Palavra do Pastor
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More
Luzes para o Ministério Presbiteral

Luzes para o Ministério Presbiteral

À Luz das leituras bíblicas (Rm 2,1-11 e Lc 11,42-46), vejamos quais são as luzes que aparecem para o Ministério...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: