“A misericórdia dentro da perspectiva da catequese”- Formação de catequista assessorada por Dom Jeremias

“Que horas maravilhosas passamos ouvindo nosso bispo! Que lição de vida e de Bíblia… Deus seja louvado!”

   Edelveis Alvarenga

Nós, catequistas da Paróquia São Miguel, de Guanhães, fomos agraciadas com a presença de nosso bispo, Dom Jeremias, em nossa formação, nesta quinta-feira (24/11) cujo tema foi “A misericórdia dentro da perspectiva da catequese”. A princípio, propôs-nos uma auto avaliação dentro do espírito misericordioso de Deus, levando-nos a refletir que a espiritualidade é imprescindível na família, na catequese, no ambiente de trabalho, na comunidade aonde estamos inseridos.

Estamos vivenciando um fenômeno de mundo com vários motivos, várias justificativas: o casamento não é duradouro, perda do encanto, do entusiasmo, consciência no trabalho que entram na vida de todos nós. O cristão batizado não pode perder o entusiasmo diante dos desafios do cotidiano, e na igreja não é diferente. Na ação evangelizadora há crise do compromisso comunitário. São vários os desafios na catequese. Todos deveriam ter uma fé genuína, que vem de berço, do pai, da mãe. Uma fé consistente e constante. As famílias desempenham vários papéis na sociedade  e, às vezes, o compromisso cristão fica esquecido.

A catequese precisa ser o coração da igreja, o ministério fundamental da igreja. Fazer pulsar Jesus Cristo dentro do seio familiar. Diante disto, ser catequista tem que ser por vocação que é o elemento fundamental  e não por desencargo de consciência ou porque precisa fazer alguma coisa na igreja. Tem que brotar de dentro do coração, tem que ser por amor e com amor a Deus e por fé.

A misericórdia é um apelo à conversão que deverá perpassar pela via da espiritualidade e deve estar a serviço da justiça divina. Movido pela sua misericórdia, Deus cria sem cessar espaços novos, novas situações de vida e bênçãos para todos nós. Ela brota do coração e Jesus é todo coração. Entretanto temos que cuidar bem do nosso coração para que não fique doente, uma vez que ele é sede dos nossos sentimentos bons e ruins. A sua misericórdia está em seu coração e vai se revelando a nós dia a dia.

No livro do profeta Isaias diz “ Não esquecerei o meu povo, está gravado nas minhas entranhas. Em Deus move um amor verdadeiramente apaixonado pelo ser humano e nos  chamou  a ser catequista mesmo sem merecermos. Ele é afável, benevolente, graça  e misericórdia divina.

Como Deus se comporta  diante do pecado? Faz como o bom samaritano: olha, vê, compadece e cuida de nós. A compaixão é uma fraqueza? Não. É uma pessoa que se compadece e o coração de Deus é livre. Elege pessoas a seu gosto, de acordo com o seu coração. O que está no coração de Deus vai se revelando, é uma ação que se prolonga no tempo, é um dom inesperado.

No livro de Gênesis, relata que Eva  e Adão se afastaram de Deus e do seu semelhante. Houve um rompimento com Deus ou com a graça de Deus. Há pessoas que perderam a consciência do pecado. É preciso ter fé, legitimar a situação do pecado. O empedernido perdeu a consciência do pecado. Quando se faz todo o processo de conversão, se arrepende, pede perdão, esvazia-se,  deixa de ser empedernido.

A verdadeira história salvífica de misericórdia de Deus começa em Abraão. Começa com uma história de bênçãos e avança para a história de salvação: bem estar, paz e vida em plenitude. História na qual a humanidade pode desfrutar da misericórdia de Deus.

Para Abraão e Moisés, Deus se revela como um Deus de saída, se revela( Pai,Filho e Espírito Santo) como Deus da história e se faz companheiro. Escuta a aflição do seu povo e vem a seu socorro.

Neste mundo mundano é preciso enxergar uma luz no fim do túnel. O próprio Deus é o

Porta-voz da misericórdia. Movido pela compaixão, cria sem cessar novo espaço de vida e bênção para o ser humano. Jesus vai sendo compreendido com o passar dos tempos e revela a autoridade de Deus.

“Deus do caminho guia os seus numa história que vai acontecendo. Deus é imprevisível, confiemos na sua misericórdia que irá nos surpreender.”

“ Deus é bom o tempo todo. O tempo todo Deus é bom.”

                                                                                                Vera Pimenta

A Palavra do Pastor
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More
Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor! Com a Liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletimos...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: