V ASSEMBLEIA DIOCESANA – Terceira parte

Após as provocações feitas por Pe Eliseu, o grupo de leigos, padres e religiosos presentes  foi dividido em cinco grupos. Cada grupo apontou sugestões para os cinco eixos (Da Síntese das Assembleias das Áreas pastorais da Diocese).

Propostas dos Grupos.

Para o Primeiro Eixo:

1º EIXO: ESTRUTURAL

  1. a) Como nossas estruturas pastorais tem ajudado a construir uma Igreja de Comunhão e participação?

– As pastorais e movimentos oferecem espaço para que os leigos vivenciem o seu batismo no dia a dia da comunidade. Favorecem a conscientização e a vivência missionária e acolhedora na paróquia.

  1. b) Quais pistas de ação vamos adotar para tornar nossa Igreja com mais comunhão e participação?

Formações permanentes dos agentes de movimentos e pastorais, também para secretárias (os) etc.

Fomentar mais o espírito missionário, ministerial e a espiritualidade entre as pastorais e seus agentes.

Organizar melhor as pastorais, com uma atuação mais integral, afetiva e efetiva e, divulgar mais os trabalhos realizados, evangelizando todas as faixas etárias numa pastoral de conjunto.

– Criação e fortalecimento dos Conselhos

– Avaliar as reais necessidades da Paróquia

– buscar novas lideranças e capacitá-las, usando metodologias adequadas e acolhendo melhor a juventude.

– Melhorar o diálogo e comunicação do padre e escritório paroquial com pastorais e o povo em geral

Sugestões dos grupos:

 

Atualizar Diretório de Pastoral  para uma pastoral conjunta:

Formação dos agentes e fomentar o espírito missionário;

Formação Integral- Pastoral de conjunto;

Fomentar espírito missionário para acontecer a formação permanente

2º EIXO : MISSÃO

  1. a) Como se percebe a consciência missionária da Diocese?

– Embora este seja um grande desafio para nossa Diocese (comodismo, individualismo, formação, fechamento religioso, desintegração familiar, drogas, violência, degradação ambiental, urbanização e tecnologia digital e virtual), nota-se a presença de leigos voluntários em todas as atividades da Igreja

– Abertura e engajamento de alguns padres

– integração das comunidades urbanas com as rurais

  1. b) Quais pistas de ação vamos adotar para formar discípulos de uma comunidade missionária aberta à todos os grupos e povos?

– Promover formação permanente para os leigos. Estudo bíblico, litúrgico, teológico e pastoral

– Visitas missionárias domiciliares

– Retiro com Pastorais, movimentos e comunidades

– Fortalecer os grupos de reflexão. Possibilitar a realização do plenário

– Investir na Pastoral catequética, especialmente catecumenal e litúrgica.

– Integração do padre com a comunidade

– Fortalecer a consciência de que o cristão batizado é missionário. Missão é a essência da Igreja

Sugestões dos grupos:

 

Investir nas pastorais sociais, formação missionária, usar mais a mídia;

Promover a  formação permanente para os leigos: catequese catecumenal e litúrgica;

Formação e fortalecimento dos Grupos de Reflexão;

Estruturas Missionárias.

3º EIXO: ESPIRITUALIDADE

  1. a) Como temos cuidado de nossa experiência de espiritualidade?

– A espiritualidade é alimentada pelas celebrações, pastorais e movimentos

– Devoções, especialmente marianas, novenas, grupos de litúrgicas da diocese, cerco de Jericó, semana da família, novena de natal, Grupos de reflexão,  encontros de jovens, famílias, vigílias, grupo de oração, teço dos homens, celebrações do mês de Maria, ofício, formação bíblica, solidariedade natural do povo

b) Quais pistas de ação vamos adotar para nos fazer crescer na comunhão com toda a Igreja e na solidariedade com os obres e excluídos?

– Cultivar uma atitude de acolhimento,  de caridade fraterna

– desenvolver uma metodologia que toque o coração das comunidades

-Promover uma espiritualidade encarnada e Orante

– Rever horários, linguagem, metodologia das pastorais e movimentos e das celebrações

– Abertura ao diálogo, ao novo e aos que chegam

– Planejamento das atividades

– Melhorar a liturgia, formação, retiros, valorizar a piedade popular

– Investir na pastoral social e familiar

 

Sugestões dos grupos:

 

Espiritualidade encarnada e orante;

Valorizar espiritualidade popular: Novenas e Grupos de Reflexão;

Revitalizar os Grupos de Reflexão;

Cultivar acolhimento, o diálogo;

Investir nas Pastorais Sociais;

Projetos Sociais (Preparação para Enem);

Promoção da espiritualidade encarnada e formação

4º EIXO: FORMAÇÃO DOS AGENTES

  1. a) Como está o processo de formação permanente dos evangelizadores (clero e leigos)?

– Formação do Clero é suficiente mas deficitária para os leigos

– A formação dos catequistas também está bem estruturada

– encontros mensais  para lideranças das comunidades

  1. b) Quais pistas de ação para a formação permanente dos evangelizadores?

– Promover estudo dos documentos da Igreja para todos os movimentos e pastorais

– Criar escola de fé e fortalecer o curso de teologia para leigos

– Investir nos grupos de reflexão

– Reestruturação dos conselhos

– insistir no processo de formação para leigos na diocese e áreas pastorais, sobretudo liturgia.

Sugestões dos grupos:

 

Envolver os padres na formação;

Investir na formação permanente;

Utilizar mídias;

Criação da escola da Fé. maior investimento no curso de leigos;

Escola de Teologia- Alunos do curso repassarem os aprendizados nas comunidades;

Fortalecimento do Curso de Teologia;

Formação das pastorais (a exemplo da catequese);

Investir na pastoral Familiar;

Acolhimento das pastorais;

Adoração ao Santíssimo Sacramento- Palavra x Eucaristia;

RCC;

Leigos cobram formação, mas quando lhes é oferecido, não comparecem;

Revitalização dos Grupos de Reflexão

 

5º EIXO; DIRETÓRIO PASTORAL.

  1. a) Como acolhemos s orientações canônico-diocesanas? Estão sendo esclarecedoras?

– São pouco conhecidas e divulgadas.

– Noções confusas sobre sexualidade, matrimonio e família, código civil x código canônico

– Embora as orientações ajudem na superação dos desafios, elas são acolhidas com dificuldade.

– As dificuldades mais evidentes estão relacionadas a padrinhos de Batismo e Crisma. Um pouco também com relação à Comunhão Eucarística e confissão, para pessoas não casadas ou de 2ª união.

  1. b) Quais pistas de ação podemos apresentar para que as orientações (canônicas – diocesanas) nos ajudem a melhorar nossa prática pastoral?

– Procurar unidade no cumprimento das orientações diocesanas entre os padres. Serem mais missionários/ pastorais que doutrinários. Apresentar Jesus Cristo e sua proposta.

– Priorizar o diálogo, respeito e caridade pastoral: amor e misericórdia. Promover a missionariedade, a mística do discipulado e novos métodos com novas estruturas pastorais.

– O escritório paroquial e os agentes de pastoral precisam repassar as informações de forma precisa e acolhedora

– investir na pastoral familiar e pastorais afins (formação dos agentes e orientações para as famílias)

– Elaborar e respeitar o Diretório Diocesano de Pastoral e o Plano Diocesano de Evangelização e Pastoral, para que haja uma direção única em toda a diocese, com linguagem clara e direta.

Sugestões dos grupos:

Fidelidade ao Diretório Diocesano;

Elaborar o Plano de Pastoral diocesano;

Investir na Pastoral Familiar.

CONCLUSÃO FINAL :

A grande questão que aparece: Missão!

Para tal, fomentar a pastoral de Conjunto. Debruçar sobre as propostas , elaborar projetos e realizá-los.

Os leigos devem continuar a missão, mas é preciso contar com o empenho dos padres.

papa-francisco

A Palavra do Pastor
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: