Carta do papa Francisco Amoris Laetitie – CapítuloIII

papa-300x124

CAPÍTULO III —

Diante das famílias e no meio delas, deve ressoar sempre de novo o primeiro anúncio que deve ocupar o centro da atividade evangelizadora. O nosso ensinamento sobre o matrimónio e a família não pode deixar de se inspirar e transfigurar à luz deste anúncio de amor e ternura, se não quiser tornar-se mera defesa duma doutrina fria e sem vida.


1-Jesus recupera e realiza plenamente o projeto divino. O matrimônio é um «dom» do Senhor (1Cor 7, 7): «Seja o matrimônio honrado por todos e imaculado o leito conjugal» (Hb 13, 4).Este dom de Deus inclui a sexualidade: «Não vos recuseis um ao outro» (1Cor 7, 5). Jesus, «ao referir-Se ao desígnio primordial sobre o casal humano, reafirma a união indissolúvel entre o homem e a mulher, mesmo admitindo que, “por causa da dureza do vosso coração, Moisés permitiu que repudiásseis as vossas mulheres; mas, no princípio, não foi assim” (Mt 19, 8). A indissolubilidade do matrimónio não se deve entender primariamente como “jugo” imposto aos homens, mas como um “dom” concedido às pessoas unidas em matrimônio.
A família e o matrimónio foram redimidos por Cristo (Ef 5, 21-32), restaurados à imagem da Santíssima Trindade, mistério donde brota todo o amor verdadeiro. O matrimônio e a família recebem de Cristo, através da Igreja, a graça necessária para testemunhar o amor de Deus e viver a vida de comunhão. O Evangelho da família atravessa a história do mundo (Gn 1, 26-27; Ap 19, 9). «A postura de Jesus é paradigmática para a Igreja (…). Ele inaugurou a sua vida pública num banquete de núpcias (Jo 2, 1-11).Compartilhou momentos diários de amizade com a família de Lázaro (Lc10, 38) e com a família de Pedro (Mt 8, 14). Escutou o pranto dos pais pelos seus filhos, restituindo-os à vida (Mc 5, 41; Lc 7, 14-15) e mostrando assim o verdadeiro significado da misericórdia.Vê-se isto claramente nos encontros com a mulher samaritana (Jo 4, 1-30) e com a adúltera (Jo 8, 1-11), nos quais a noção do pecado é avivada perante o amor gratuito de Jesus».
A encarnação do Verbo numa família humana, em Nazaré, comove com a sua novidade a história do mundo. Precisamos mergulhar no mistério do nascimento de Jesus, no sim de Maria ao anúncio do anjo, quando foi concebida a Palavra no seu seio; e ainda no sim de José, que deu o nome a Jesus e cuidou de Maria; na festa dos pastores no presépio; na adoração dos Magos; na fuga para o Egito e, aos demais acontecimentos inerentes a estes fatos da Encarnação até a vida pública de Jesus (Mt 1,18-3, 17; Lc, 2,1-2,52).A aliança de amor e fidelidade, vivida pela Sagrada Família de Nazaré, ilumina o princípio que dá forma a cada família e a torna capaz de enfrentar melhor as vicissitudes da vida e da história. Sobre este fundamento, cada família, mesmo na sua fragilidade, pode tornar-se uma luz na escuridão do mundo. Aprendamos de Nazaré como é preciosa e insubstituível a educação familiar e como é fundamental e incomparável a sua função no plano social.
2-A família nos documentos da Igreja. O Concílio Ecumênico Vaticano II ocupou-se, na Constituição pastoral Gaudium et spes, da promoção da dignidade do matrimónio e da família (nn. 47-52). «Definiu o matrimônio como comunidade de vida e amor e enraizada no Cristo Senhor; constitui uma igreja doméstica e manifesta o mistério da igreja (Lumen gentium, 11.59); na (Humanae vitae,10) destacou o vínculo intrínseco entre amor conjugal e procriação; Na Exortação apostólica Evangelii nuntiandi, Paulo VI salientou a relação entre a família e a Igreja; a Carta às famílias Gratissimam sane e a Exortação apostólica Familiaris consortio 13, definiu a família «caminho da Igreja» e propôs as linhas fundamentais para a pastoral da família e para a presença da família na sociedade. «Bento XVI, na Encíclica Deus caritas est, retomou o tema da verdade do amor entre o homem e a mulher, que se vê iluminado plenamente apenas à luz do amor de Cristo crucificado (n. 2), o modo de Deus amar torna-se a medida do amor humano”(n. 11).Além disso, na Encíclica Caritas in veritate, destaca a importância do amor como princípio de vida na sociedade (n. 44), lugar onde se aprende a experiência do bem comum».
3-O sacramento do matrimónio. A Sagrada Escritura e a Tradição abrem-nos o acesso a um conhecimento da Trindade que Se revela com traços familiares. A família é imagem de Deus, que (…) é comunhão de pessoas. O matrimônio e a família recebem de Cristo, através da Igreja, a graça para testemunhar o Evangelho do amor de Deus. O sacramento é um dom para a santificação e a salvação dos esposos, a lembrança permanente daquilo que aconteceu na cruz, a resposta vocacional ao chamado de Deus. Por isso, a decisão de se casar e formar uma família deve ser fruto dum discernimento vocacional. O dom recíproco constitutivo do matrimónio sacramental está enraizado na graça do batismo, que estabelece a aliança fundamental de cada pessoa com Cristo na Igreja. O matrimónio cristão é um sinal que não só indica quanto Cristo amou a sua Igreja na Aliança selada na Cruz, mas torna presente esse amor na comunhão dos esposos. Vivida de modo humano e santificada pelo sacramento, a união sexual é, por sua vez, caminho de crescimento na vida da graça para os esposos. O valor da união dos corpos está expresso nas palavras do consentimento, pelas quais se acolheram e doaram reciprocamente para partilhar a vida toda. No sacramento do matrimônio, segundo a tradição latina da Igreja, os ministros são o homem e a mulher que secasam, os quais, ao manifestar o seu consentimento e expressá-lo na sua entrega corpórea, recebem um grande dom. O seu consentimento e a união dos seus corpos são os instrumentos da ação divina que os torna uma só carne. Por isso, quando dois cônjuges não-cristãos recebem o batismo, não é necessário renovar a promessa nupcial sendo suficiente que não a rejeitem, pois, pelo batismo que recebem, essa união torna-se automaticamente sacramental. O próprio direito canônico reconhece a validade de alguns matrimônios que se celebram sem um ministro ordenado.
4-Sementes do Verbo e situações imperfeitas. Assumindo o ensinamento bíblico de que tudo foi criado por Cristo e para Cristo (Col 1, 16), os Padres sinodais lembraram que «a ordem da redenção ilumina e realiza a da criação. Assim, o matrimónio natural compreende-se plenamente à luz da sua realização sacramental: só fixando o olhar em Cristo é que se conhece cabalmente a verdade das relações humanas. O discernimento da presença dassemina Verbi nas outras culturas (cf. Ad gentes, 11) pode-se aplicar também à realidade matrimonial e familiar. Para além do verdadeiro matrimónio natural, há elementos positivos também nas formas matrimoniais doutras tradições religiosas,embora não faltem também as sombras. O olhar de Cristo, cuja luz ilumina todo o homem (Jo 1, 9; Gaudium et spes, 22), inspira o cuidado pastoral da Igrejapelos fiéis que simplesmente vivem juntos, que contraíram matrimónio apenas civil ou são divorciados que voltaram a casar. Na perspectiva da pedagogia divina, a Igreja olha com amor para aqueles que participam de modo imperfeito na vida dela: com eles, invoca a graça da conversão; encoraja-os a fazerem o bem, a cuidarem com amor um do outro e colocarem-se ao serviço da comunidade onde vivem e trabalham. (…) Quando a união alcança uma estabilidade notável por meio dum vínculo público – e se reveste de afeto profundo, responsabilidade pela prole, capacidade de superaras provações –, pode ser vista como uma oportunidade a encaminhar para o sacramento do matrimônio, sempre que este seja possível.
5-A transmissão da vida e a educação dos filhos. Também os esposos a quem Deus não concedeu a graça de ter filhos podem ter uma vida conjugal cheia de sentido, humana e cristãmente falando. Contudo, esta união está ordenada para a geração «por sua própria natureza». O bebê que chega «não vem de fora juntar-se ao amor mútuo dos esposos; surge no próprio coração deste dom mútuo, do qual é fruto e complemento». O filho pede para nascer, não de qualquer maneira, mas deste amor, porque ele «não é uma dívida, mas uma dádiva». A Igreja «apoia as famílias que acolhem, educam e rodeiam de carinho os filhos deficientes»; não posso deixar de afirmar que, se a família é o santuário da vida, o lugar onde a vida é gerada e cuidada, constitui uma contradição lancinante fazer dela o lugar onde a vida é negada e destruída. Os Padres quiseram sublinhar também que «um dos desafios fundamentais que as famílias enfrentam hoje é seguramente odesafio educativo, que se tornou ainda mais difícil e complexo por causa da realidade cultural atual e da grande influência dos meios de comunicação. Mas parece-me muito importante lembrar que a educação integral dos filhos é, simultaneamente, «dever gravíssimo» e «direito primário» dos pais. O Estado oferece um serviço educativo de maneira subsidiária, acompanhando a função não-delegável dos pais. A escola não substitui os pais; serve-lhes de complemento. A Igreja é chamada a colaborar, com uma ação pastoral adequada, para que os próprios pais possam cumprir a sua missão educativa.
6-A família e a Igreja. Com íntima alegria e profunda consolação, a Igreja olha para as famílias que permanecem fiéis aos ensinamentos do Evangelho, agradecendo-lhes pelo testemunho que dão e encorajando-as. Na família, “como numa igreja doméstica” (Lumen gentium, 11), amadurece a primeira experiência eclesial da comunhão entre as pessoas, na qual, por graça, se reflete o mistério da Santíssima Trindade. “É aqui que se aprende a tenacidade e a alegria no trabalho, o amor fraterno, o perdão generoso e sempre renovado, e sobretudo o culto divino, pela oração e pelo oferecimento da própria vida” (Catecismo da Igreja Católica, 1657).A Igreja é família de famílias, constantemente enriquecida pela vida de todas as igrejas domésticas. A salvaguarda deste dom sacramental do Senhor compete não só à família individual, mas a toda a comunidade cristã. A beleza do dom recíproco e gratuito, a alegria pela vida que nasce e a amorosa solicitude de todos os seus membros, desde os pequeninos aos idosos, são apenas alguns dos frutos que tornam única e insubstituível a resposta à vocação da família, tanto para a Igreja como para a sociedade inteira.

1. Considera que os ensinamentos de Jesus sobre a família são esperançosos, inspiradores, repletos de amor e ternura? 2. A linguagem dos documentos da Igreja comunica consigo? 3. Qual a sua opinião sobre a maneira como Francisco fala sobre «situações imperfeitas» e as «sementes do Verbo» noutras culturas? 4. Qual a sua opinião sobre a maneira como o papa escreve acerca da transmissão da vida e a educação das crianças? 5. Tem experimentado a Igreja como «família de famílias»?

Pe José Aparecido Santos

A Palavra do Pastor
Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

No 3º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre o Projeto de Salvação e de Vida plena que Deus...
Read More
FORTALEÇAMOS O PILAR DA PALAVRA DE DEUS

FORTALEÇAMOS O PILAR DA PALAVRA DE DEUS

As novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora no Brasil (2019-2023), Documento nº. 107 da Conferência Nacional do Brasil  (CNBB), nos apresentam...
Read More
Apresentar e testemunhar Jesus, a luz das Nações ( Homilia para o 2º Domingo do Tempo Comum-ano A)

Apresentar e testemunhar Jesus, a luz das Nações ( Homilia para o 2º Domingo do Tempo Comum-ano A)

Apresentar e testemunhar Jesus, a Luz das Nações “Melhor é calar-se e ser do que falar e não ser. Coisa...
Read More
Ser batizado é ouvir a voz do Filho Amado

Ser batizado é ouvir a voz do Filho Amado

  O Batismo do Senhor é apresentado de diferentes modos: os Evangelhos de São Marcos e São Lucas apenas fazem...
Read More
A Evangelização nos desafia: É tempo de sermos epifânicos!

A Evangelização nos desafia: É tempo de sermos epifânicos!

  A Evangelização nos desafia: É tempo de sermos epifânicos! Há de brilhar e brilhou… Uma estrela há dois milênios,...
Read More
Epifania: Jesus é o Salvador de todos os povos ( Homilia da Epifania do Senhor)

Epifania: Jesus é o Salvador de todos os povos ( Homilia da Epifania do Senhor)

Epifania: Jesus é o Salvador de todos os povos Celebraremos com toda a Igreja, a Solenidade da Epifania do Senhor,...
Read More

Deus seja louvado! Olhando para o ano que está terminando, faltando apenas dois dias, vi que: Amo o que faço! Creio...
Read More
Sagrada Família, modelo de fidelidade e coragem

Sagrada Família, modelo de fidelidade e coragem

Sagrada Família, modelo de fidelidade e coragem Celebrar a Festa da Sagrada Família (ano A), é para todos nós, uma...
Read More
Ah, se nossas famílias escutassem o Anjo do Senhor…

Ah, se nossas famílias escutassem o Anjo do Senhor…

Ah, se nossas famílias escutassem o Anjo do Senhor... Na Liturgia da Palavra na Festa da Sagrada Família (ano A),...
Read More
O silêncio dos inocentes

O silêncio dos inocentes

O silêncio dos inocentes... “Levante-se, pegue a Criança e a Sua mãe e fuja para o Egito. Fiquem lá até...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: