Uma reflexão sobre o Namoro

Uma reflexão sobre o Namoro

namorados

Quando o autor sagrado afirma que “Deus criou o homem à sua imagem” (Gn 1,27) significa afirmar aquilo que Deus desejou, pensou, e que agora, sob o poder de sua palavra criadora, faz acontecer.

É na vivência do amor que homem e mulher se completam. A relação homem- mulher neste texto nos aponta para uma relação amorosa. “Amor é responsabilidade de um ‘Eu’ para um ‘Tu’ – conforme o pensador Martin Buber em sua obra Eu e Tu – Nisto consiste a igualdade daqueles que amam, igualdade que não pode consistir em um sentimento qualquer”.

O autor bíblico demonstra a dimensão social do ser humano quando afirma “Não é bom que o homem esteja só. Vou fazer-lhe uma auxiliar que lhe corresponda”. (Gn 2,18ss). Apresenta-nos o ser humano como “Ser-voltado-para-o-outro”. Assim nos aponta uma característica humana importante. Que a pessoa humana, a partir de um determinado momento do seu desenvolvimento, sente a necessidade e a sadia curiosidade de relacionar-se com o sexo oposto e descobrir parte da riqueza, da diversidade da obra de Deus. Não somos idênticos, iguais uns aos outros, e por isso sentimos a necessidade natural de nos enriquecer e nos completar a partir do mistério do outro e crescermos enquanto pessoa.

No entanto, vivemos num ambiente poluído pelo “ter”, “poder” e “prazer” que deturpa a beleza da criação de Deus. É aí que o pecado age provocando o desrespeito ao mistério do outro, “coisificando-o” como se fosse um objeto que pode ser usado para satisfazer o desejo compulsivo do “ter”, “poder” e “prazer”.

Vemos situações assim nos namoros precipitados, baseados só na atração física, carências ou sentimentos efêmeros, que fazem alguns mudarem de namorado/a como se troca de roupa, gerando feridas, dores e marcas na pessoa e nos futuros relacionamentos ao invés de crescimento. Isto por que não há amizade e respeito pelo “mistério do outro”.

É preciso entender que o tempo do namoro é aquele momento de amizade que se aprofunda e fortalece numa caminhada a dois. Em nada se assemelha com dito “ficar”, pois os namorados devem passar juntos animados pelo diálogo e a abertura para se conhecerem e revela-se um ao outro sem fugir para atitudes precipitadas e impróprias para o momento do casal que está se conhecendo.

Desse modo, o namoro é um momento para evolução do indivíduo no crescimento maduro. Ali se estabelece raiz para assumirem juntos os sacramentos do matrimônio fundamentados no amor. Duas palavras se fazem necessárias: respeito, conhecimento. Vive-se o presente, mas com compromisso com o futuro.

Padre Bruno Costa Ribeiro

 

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: