Sermão das Sete Últimas Palavras de Jesus e Sermão do Descendimento da Cruz

A praça em frente a Igreja Matriz da paróquia São Miguel esteve repleta de fiéis para refletirem e meditarem sobre as últimas Palavras de Cristo na cruz. Pe Jacy acolheu  os presentes e convidou a todos para assistirem com muita atenção, deixando que as Palavras de Jesus,uma a uma, tocassem profundamente os corações. Pe Jacy convidou ao povo para acolherem o Pregador, da noite, Dom Jeremias entoando o canto inicial. Em seguida, entraram sete homens trazendo cada um, uma vela grande acesa para ser colocada no candelabro( menorah) e assim que a Palavra era anunciada pelo pregador, um homem apagava uma vela e soltava a flâmula referente à Palavra.

sermao

Pregador:  As últimas Palavras de Jesus sintetizam  um testamento para os seus discípulos. Elas expressam na prática, tudo o que Ele ensinou e pregou. Primeira Palavra de Cristo na cruz: ” Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem.”

Perdoai-nos ó Pai, pelas nossas ofensas…

Jesus no alto da cruz se dirige ao Pai, de forma terna. Ele poderia expressar um sentimento de revolta, pelo tamanho sofrimento. Mas, ele fala ‘Pai” , ‘Papaizinho’, se dirige a Ele de forma emocional,  dimensão de carinho… Esta primeira Palavra nos ensina a perdoar sem limites. O perdão é a essência do que Ele veio pregar e ensinar. Perdoar, marca um recomeço, faz novas todas as coisas…Jesus argumenta ‘Perdoa-lhes, Pai, eles não sabem que estão matando o Filho de Deus…

Segunda Palavra: ”  Em verdade eu te digo: Ainda hoje estarás comigo no paraíso.’

Todos nós devemos gloriar-nos na cruz…

 Jesus estava crucificado no meio de dois ladrões, um a direita, o bom. Dimas representa todos aqueles que acreditam e se convertem. Ele sentiu totalmente tocado pelas Palavras de Jesus. Ele que não era discípulo , seguidor, era um desconhecido, no entanto ele ouviu,  entendeu , acolheu em seu coração, se converteu e ainda argumentava com o outro: ‘Nós merecemos, Ele não’! Mas o outro só blasfemava, mas Jesus se mantinha no silêncio. Os olhares diziam tudo! O perdão devolve a vida, nos faz novos, nos coloca diretamente no coração do Pai. Dimas ganhou o paraíso. ‘Ainda hoje estará comigo…’

Terceira Palavra: ‘Mulher , este é o teu filho… Esta é  a tua mãe!’ E o discípulo a acolheu.

Imaculada, maria de Deus, Coração pobre acolhendo Jesus.

Até mesmo nesse momento, Jesus pensa em seus algozes. 

Agora, em sua mãe, no discípulo amado. Aos pés da cruz, poucas pessoas: Maria, o discípulo amado, Maria Madalena (representa a penitência e o perdão) Maria de Cléofas, José de Arimateia e Nicodemos. Jesus preocupado com o destino de sua mãe, confia-lhe ao discípulo . No alto da cruz, Ele dita seu testamento. O único bem que ainda tinha, Ele entregou, abriu mão… Devemos refletir em nosso coração sobre a dimensão deste amor… Precisamos rever nosso caminho:

Se precisamos caminhar, através do caminho da conversão, do perdão….A hora é agora!  Quantas dádivas, recebemos de Deus e ainda nos dá sua mãe: ‘Eis aí sua mãe!’

Ajude-nos, Senhor a estarmos sempre prontos, para o perdão, sempre!

Quarta Palavra: Eloi, Eloi, lama sabachitani…Que quer dizer : Meu Deus, meu Deus por que me abandonaste?

Meu Deus , meu Deus por que me abandonaste?

Jesus como verbo encarnado vivencia o momento do abandono, humanamente não se sentia  protegido…

Neste grito, o grito de todo homem e mulher pela dor e pelo sofrimento…Será que Deus me esqueceu? Onde Ele estava? São perguntas que estavam no coração de Jesus.  Mas, ele se recupera e retoma a consciência que estava sob os olhares do Pai. Ele estava salvando a humanidade.

Quinta Palavra: ‘Tenho sede’

Aqui o desejo da humanidade inteira…Qual é a nossa maior sede? sede de paz, justiça…Um paradoxo, Ele é a água viva, o Caminho, a Verdade e a Vida.

Os condenados recebiam vinho para alívio da dor. Jesus pede água e eles lhes dão vinagre e a sua sede continua. Sente a sede de ver em seu Reino,instaurada a justiça. Sua sede não se esgotou.  Cabe a cada um de nós saciarmos esta sede, promovendo a paz e a justiça.

Sexta Palavra: Tudo está consumado!

Prova de amor, maior não há…

Anunciei o reino, curei os doentes e feridos, devolvi a vista aos cegos…’ Como é bom chegar ao final, com  a consciência do dever cumprido… No alto da cruz, diante dos olhares ele diz ‘tudo está consumado’!

Sétima Palavra: ‘Pai, em tuas  mãos entrego o meu espírito! Jesus recobra a consciência da proteção divina, agora depois do seu último suspiro, o Pai o recebe de volta.

Quando morremos, voltamos ao Pai. Nossa vida inteira é um caminho de volta. Quem nos dera chegar ao final de nossa existência , com a consciência do dever cumprido e dizermos a Deus: Pai, em suas mãos entrego o meu espírito!

____ Entrada de pessoas caracterizadas de personagens bíblicos.

Vamos acolher alguns personagens bíblicos: Maria, Maria madalena, Verônica, São João Apóstolo, Abraão, Isaac, Moisés.. personagens do Antigo e Novo Testamento.  Um completa o outro. A presença destes personagens, da Sagrada Escritura nos mostra isto. Deus preparou a nossa salvação desde o início, enviando-os a nós. E ainda continua…. A humanidade não percebe…

Sermão do Descendimento da Cruz:

A imagem será tirada da cruz. O que significa para mim?  Queremos ser como o bom ladrão que ao ouvir a Palavra, se converte ? Desejo  praticar o bem até o fim da minha vida?

Olhemos a imagem deste inocente que morre e da mãe que sofre… Quantas mães, quantos filhos sofrem …

Retirando os cravos que marcaram  as mãos que só fizeram o bem, a coroa de espinhos, os braços que só acolheram e se mantiveram estendidos para a salvação da humanidade, os pés que pisaram o chão, a poeira da existência humana…

Pensemos no corpo sem vida. O valor do corpo humano. Nossa vida, nossa morte!

 O filho agora, no colo da mãe, sem vida! Na fortaleza desta mãe, a fortaleza das mães que sofrem …

Jesus , nosso príncipe, morre.  Mas ressuscita. Ele vive ! E vive no meio de nós!

Que a imagem do Cristo fique estampada em nossa alma, como no lenço de Verônica.

A Palavra do Pastor
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More
Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor! Com a Liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletimos...
Read More
Amados e perdoados para amar e perdoar – XXIV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Amados e perdoados para amar e perdoar – XXIV Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 24º Domingo do Tempo Comum (Ano A), trata do tema do perdão. Contemplamos a Face de Deus...
Read More
”  A caridade é a plenitude da Lei” – Homilia -XXIII  Domingo do Tempo Comum Ano A

” A caridade é a plenitude da Lei” – Homilia -XXIII Domingo do Tempo Comum Ano A

“A caridade é a plenitude da Lei” “O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é...
Read More
Sejamos fortalecidos no carregar da Cruz! Homilia do XXII Domingo Tempo Comum Ano A

Sejamos fortalecidos no carregar da Cruz! Homilia do XXII Domingo Tempo Comum Ano A

A Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano A) traz um convite que a muitos assusta e desaponta: “A...
Read More
O Senhor nos envia em missão – Homilia do XXI Domigo do Tempo Comum do Ano A

O Senhor nos envia em missão – Homilia do XXI Domigo do Tempo Comum do Ano A

O Senhor nos envia em missão Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre dois...
Read More
Maria nos ensina o caminho para o céu – Homilia Dominical – Assunção de Nossa Senhora

Maria nos ensina o caminho para o céu – Homilia Dominical – Assunção de Nossa Senhora

  Celebramos no dia 15 de agosto, a Solenidade da Assunção da Virgem Santa Maria, um dos dogmas da Igreja,...
Read More
Não tenhamos medo! “Ele está no meio de nós” . XIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

Não tenhamos medo! “Ele está no meio de nós” . XIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

Não tenhamos medo! “Ele está no meio de nós” A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano A) leva-nos...
Read More
O Senhor e o milagre do amor

O Senhor e o milagre do amor

  A Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano A) nos convida a refletir sobre a grandiosidade do amor...
Read More
O Reino de Deus é a nossa maior riqueza – Homilia para o XVII Domingo do Tempo Comum do Ano A

O Reino de Deus é a nossa maior riqueza – Homilia para o XVII Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia da Palavra do 17º Domingo do Tempo Comum (ano A) refletiremos à luz das Parábolas da...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: