Reflexão sobre a Pastoral Carcerária

A Coordenação da Pastoral Carcerária ,  nos  encontros  em  nossa  Diocese discute e aprofunda a sua missão na Igreja , procurando ser presença na vida da pessoa presa, seus familiares como também em todos os ambientes, onde se reflete sobre a situação prisional.

As igrejas particulares, isto é, as dioceses, são responsáveis pela missão junto à pessoa presa.Em cada cidade com sua cadeia ou presídio, a comunidade local, com o seu pároco, tem a responsabilidade de prestar a assistência a quem está na prisão. A prisão é uma comunidade dentro da comunidade paroquial que deve ser assistida como as demais comunidades. Ali estão homens ou mulheres da própria comunidade e das comunidades vizinhas e, às vezes, de mais distantes, não importa.

Trata-se de uma missão não compreendida por aquelas pessoas que não compreendem a realidade prisional e que nunca foram vitimas dela, mas muito querida e necessária para a família que vive a experiência prisional.

A grande missão da Igreja é anunciar o Evangelho através do testemunho e da presença junto aos mais pobres e marginalizados. Assim, a Pastoral Carcerária tem se colocado como presença nas unidades locais.

Só aquelas pessoas que defendem a violência e o castigo é que questionam a presença e a missão da Pastoral. Essas pessoas não conseguem perceber que quem perde a liberdade não perde a sua dignidade e os direitos inerentes à sua condição humana; que esses direitos não podem ser violados pelo Estado que tem por função garanti-los.

Acontece que a história é a mesma. Jesus também foi duramente criticado por dar atenção aos marginalizados do seu tempo, mas a sua resposta era muito clara ao dizer que quem está bom não precisa de médico, mas os doentes sim. Nas prisões de hoje estão os doentes e marginalizados da sociedade, vítimas de uma sociedade que exclui, mata, marginaliza, tira o que pertence aos outros. Por isso, a Pastoral chega como o Bom Samaritano, que se aproxima para prestar a assistência possível, consciente de que o Estado tem a obrigação de cumprir com as suas responsabilidades ao custodiar os sentenciados e os que aguardam sentença.

A Pastoral, além da assistência religiosa e da formação cristã no cárcere, cumpre também um papel de controle social, já que mantém uma presença sistemática no mundo das prisões, sobretudo para que a vida de todos os que fazem o sistema e nele cumprem penas, seja colocada acima de tudo.

Temos  hoje,  o  exemplo do Papa  Francisco que,  em  todos  os países que  visita, sempre exige  um  tempo para  falar  e  encontrar   com os  presos/as daquele  lugar.

Veja no www  Pastoral Carcerária.gov.br ,o discurso  feito aos  presos  da  cidade  do México.

(texto  adaptado  de  artigo de P.Valdir-coordenador  da PCR Nacional)

Relatório  do encontro  da Pastoral Carcerária  Leste II  em  Belo Horizonte nos  dias  26 e  27  de fevereiro  de  2016.

Conforme convocação  estive  em  BH , na  Casa  de  Retiro das  irmãs  Sacramentinas,nos  dias  26 e  27  de   fevereiro,encontro para  coordenadores  e  assessores ( Pe Salomão  não pode  ir ,por  causa de  sua  posse em Rio Vermelho,acontecido  no mesmo final de  semana.).

Estiveram presentes   42 pessoas do Leste II (  Minas Gerais  e  Espírito Santo), sendo  10  padres  e 32  leigos.

1º dia-Após jantar, oração, iniciamos  o encontro  com  apresentação de  todos e logo em seguida passamos    ao  VER, onde  todas  as   Arquidioceses/Dioceses   fizeram  o relato  de como   está  a  situação carcerária  em sua região,  sua  realidade. Durantes  esta  apresentação ,foram feitas  conforme  necessidade,  esclarecimentos  de como  proceder  em cada  situação  pelos  assessores  do Encontro: Pe.Ernesto, Dr. Dilson  Funaro e  Maria  de  Lourdes(  todos  da   estadual de  Minas Gerais.

2º  Dia – Iniciamos  às  6:15h  com a  Santa  Missa,concelebrada  por  quatro padres.

Logo após o café,  reza  do  ofício  e  em  seguida  o  Tema :  Campanha da  Fraternidade 2016 ,onde  o Dr. Dilson  Funaro,  foi  colocando concretamente   os problema  do  Saneamento  básico, dentro do cárcere, sugerindo legalmente  como  resolver, junto  aos  órgão públicos.

Foi lido também   o discurso do Papa  Francisco, aos  presos na  sua   visita  à  cidade  do  México.

Em seguida  Padre  Piero de  T.Otoni   falou sobre o  Jubileu da  Misericórdia,destacando em sua  fala quatro  pontos:

1-Deus  é  Misericórdia:  esta  misericórdia é  ETERNA. Citou Isaías 58,1 Profeta Daniel etc

2-O  rosto da  Misericórdia: é  Jesus, Boa  Nova, dar  vista  aos  cegos,anunciar o Ano da  Graça do Senhor, Pastor  que  corre  atrás  de  uma  ovelha  perdida, etc.

3- Misericórdia  e  Justiça : Lucas Multiplicação dos  pães   Partilha , o  sinal de  Jesus que este  mundo  é de  TODOS

4- Seremos  julgados sobre  a  misericórdia:  ou seja  no AMOR.

Após almoço  Magda (Mariana)   falou  sobre  a coordenação

1)      Coordenador para:

As  pessoas  são diferentes:

a)       Cada  um tem  aspirações,objetivos, preferências,características de personalidade,talentos  e  habilidade próprias.

b)      Quando  unimos  em  equipe, em grupo,as  diferenças emergem.Daí a  necessidade de  uma liderança que  ajude o grupo a  fazer  das  diferenças uma  riqueza e  não  um  problema.

c)      Coordenar é  somar riquezas e  administrar  diferenças e  conflitos.

É  NECESSÁRIO:

a)Conhecer bem  nossa missão;

b) organizar a  vida em comunidade

Missão do coordenador:

a)      Incentivar

b)      Animar

c)      Unir

d)      Trabalhar as  diferenças

e)      Garantir a  sintonia, a comunhão , a  ordem

f)       Articular e  garantir os  talentos

g)      Alimentar o grupo com  orações,motivação e  orientações

MAS…

– Quem  coordena não  deve  ser  uma pessoa  que  trabalha  por  dez

E  SIM

– Aquela  que  vai  assegurar o máximo de participação.

 

AGIR–  Foi    colocado  a  necessidade  de renovar  a  Coordenação Colegiada  Estadual , para  ser  eleita  na  assembléia  em Uberlândia   nos  dias  22 a 24  de  abril.

Lembrou os  atuais  membros,   e  após  várias discussões, ficou  decidido uma renovação de  50%,  . Ficaria  Jaqueline(Jurídico) Magda e  Lurdes. Foi citado novos  nomes   ficando,   aprovado apenas  Hugo  e P. Welignton  que  estavam  presentes . Mas  a  eleição será  em  assembleia , em Uberlândia.

Foi feito alguns encaminhamentos  já lembrados e  repartiu  os cartazes do encontro  do Leste II de  abril , para  levar  para  as  dioceses.

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: