É Sempre Tempo

Provavelmente para muitos ainda estão vivas as lembranças dos fogos de artifício do Ano Novo e o ano já chegou ao fim do primeiro trimestre. Há uma sensação de urgência pairando no ar, como se o tempo estivesse correndo cada vez mais rápido. E se do ponto de vista cronológico o tempo está lá como sempre foi, o que realmente mudou? Fato é que ouvimos constantemente a célebre frase “não tenho tempo”, como desculpa para o telefonema não dado, para o jardim sem flores, para a atividade física adiada, para o encontro que não aconteceu. Os encontros de amigos acontecem via Skype, as conversas via Whatsapp ou Messenger, tudo ao alcance de um clique. Não há mais o bate papo com o vizinho, muitas vezes nem sequer o conhecemos. Sem dúvida os hábitos mudaram.

sempretempo

Busca-se incessantemente o ter, que leva a correr de um lado a outro, num “estado de ansiedade” que nos impulsiona a fazer inúmeras coisas ao mesmo tempo. Assim, quando chega a noite, estamos exaustos e resta pouco tempo para tantas tarefas que ainda precisam ser feitas: entramos no automatismo. Somos diariamente bombardeados por informações que sugerem a busca da essência do ser, pelos mesmos canais que nos dizem que seremos pessoas ”mais legais” se tivermos o smarthphone do modelo mais recente. Quem vence a luta entre o ter e o ser?

Ariano Suassuna pode nos dar o tom da conversa quando diz: “A tarefa de viver é dura, mas fascinante.” É preciso nos deixar apaixonar pela vida e não apenas sermos levados pelo turbilhão de coisas que nos assolam. É sempre tempo de apreciar a beleza que está nas coisas simples do dia a dia, nos encontros reais. Rubem Alves em seu livro Concerto Para Corpo e Alma sabiamente escreve: “Sabedoria é a arte de provar e degustar a alegria, quando ela vem. Mas só dominam essa arte aqueles que têm a graça da simplicidade. Porque a alegria só mora nas coisas simples.”

Para você que chegou até aqui na leitura no texto, uma pergunta: qual foi a última vez que escutou o seu coração? Experimente parar agora e prestar atenção no seu batimento cardíaco. Vai perceber que o coração, mesmo trabalhando continuamente, faz pausas a cada batida. Traz consigo a metáfora de que precisamos de intervalos, pois a vida acontece em ciclos e pode ser muito mais que uma sucessão de acontecimentos entre o berço e o túmulo. Sempre é tempo de aproveitar o momento presente, vivenciando cada instante. Viver em vez de apenas sobreviver. Quem vence a luta entre o ter e o ser é aquele que você der mais atenção: a decisão é sempre sua! “Essas são bobagens de auto ajuda” dirão uns; “não tenho tempo para pensar sobre isso” podem decretar outros. Eu escolho a “pureza da resposta das crianças: é a vida, é bonita, e é bonita.”

                                                                                                   Marizélia Martins

Psicóloga, trabalha em Guanhães com Psicoterapia Individual e de Grupos, Assessoria em Psicologia Organizacional e Gestão de Pessoas. Email: marizeliamartins@hotmail.com

                                                                                        Fone (33) 98871-6750 OI e Whatsapp

A Palavra do Pastor
“Vós sois meus amigos” Homilia do VI Domingo da Páscoa – dom Otacilio F. de Lacerda

“Vós sois meus amigos” Homilia do VI Domingo da Páscoa – dom Otacilio F. de Lacerda

Reflexão à luz da passagem do Evangelho de João (Jo 15,12-17), em que Jesus nos dá o Mandamento do amor: “Este...
Read More
Precisamos da Seiva do Amor do Senhor! Homilia – 5º Domingo do Tempo Pascal

Precisamos da Seiva do Amor do Senhor! Homilia – 5º Domingo do Tempo Pascal

“Eu sou a Videira e vós sois os ramos” A Liturgia do 5º Domingo da Páscoa (Ano B) é um...
Read More

A voz do Bom Pastor – Homilia – 4º Domingo da Páscoa

“Eu sou o Bom Pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem,  assim como o Pai me conhece e Eu...
Read More
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: