Participantes do IRPAC 2016 contam um pouco sobre o curso

O IRPAC _ Especialização em  Catequética aconteceu em Belo Horizonte, no período de 03 a 15 de janeiro.

Da Diocese de Guanhães participaram seis pessoas e eles contam um pouco sobre algumas aulas.

O primeiro tema no Módulo I foi: Fé e amadurecimento humano e  foi assessorado pela Irmã Rosana Viveiros e Padre Vanildo de Paiva.

Refletimos a fé como busca ou sentido da vida, como encontro e conversão, como processo de crescimento e maturidade humana e espiritual.

Somos incentivados a refletir sobre a necessidade da fé no sentido de acreditar, de ser fiel ao objetivo de nossa existência que é nosso amor a Deus, compreendendo a razão pelo qual se crê sem ver.

A experiência de fé coincide com a interioridade à nossa própria existência de ser, com o mistério que cada ser humano é, com as marcas dessa vida frágil e inacabada. Vida e fé são questão de confiança, a verdade de nossos afetos, a justiça de nossos desejos, a reciprocidade de nossas relações, a força e a forma das nossas realizações. Gera-se a fé como se gera a vida. Gera-se a fé em Jesus de Nazaré como se gera a vida de cada ser humano: na confiança reconhecida, acolhida e correspondida.

Somos seres complexos, tecidos como em um tear  e finalizados num belo tecido-ser. A história de cada um,  vai sendo tecida ao longo da vida enquanto fazemos a experiência de Deus.

Fomos criados para amar e ser amados. Olhando para Cristo, enxergamos quem é Deus e quem é o ser humano. Deus nos capacita para enfrentar os obstáculos da vida.

Nascemos de um amor em busca da plenitude. A fé é um encontro interpessoal na dimensão vertical e horizontal. Esse mistério inefável nos leva a contemplar a beleza divina não como um êxtase mas como transfiguração de todo ser humano. Quanto mais cresce em ti o amor, tanto mais cresce a beleza da plenitude em Deus.”

Tema: Itinerários Bíblico da Fé- Professor: Jacil Rodrigues de Brito

A fé é um processo contínuo de amadurecimento testemunhada pela própria vivência de cada ser. O conhecimento e compreensão da manifestação divina se dá por meio de uma linguagem cultural que ultrapassa o tempo e a história. A linguagem é o veículo da experiência que caracteriza o humano.

A maturidade da fé leva a rupturas e renovações que busca o equilíbrio não só pela razão, mas principalmente pela sabedoria.

O ser humano ainda não está completo. Ele está na ponta da evolução que arrasta uma ancestralidade cultural e sapiencial.

O processo de vivência e de geração de vida que se limita ao aparente, ao superficial, infantiliza o homem, não permitindo que ele experiencie, a partir das relações, o mais profundo do SER: do ser ele mesmo; do SER do outro; e do ser pleno: Deus. Somente o homem que busca superar a superficialidade das aparências será capaz de vislumbrar a Verdade presente em sua própria essência, na essência do outro e, por primazia, no SER de Deus.

A aliança do divino com o humano é a chave da revelação da vida que nos dá a possibilidade da continuidade levando-nos ao engajamento de uma proposta que orienta o nosso comportamento para o  encontro imediato com o invisível que é o próprio Deus.

Ninguém precisa aprender tudo ou angariar informações para se chegar ao conhecimento. Durante o decorrer de nossa existência, as cicatrizes que adquirimos nos lembram sempre que estamos aprendendo, que estamos sendo curados. A vida eterna é consequência de minhas escolhas e dos meus atos. Que o meu SIM seja Sim e o meu NÃO, seja NÃO.

Durante os três dias de encontro com o professor Jacil,  fomos banhados com sabedoria e pudemos compreender um pouco mais sobre a linguagem da Bíblia que nos permitiu refletir sobre a necessidade de trilhar caminhos de maturação, de reconhecimento de nossa humanidade, de entrelaçamento relacional, na imanência e na transcendência, de integralização plena, o que nos permitirá experienciar nossa essência, vislumbrando nossa plenitude potencial.

Tema: Catequese Evangelizadora Professora: Lucimara Trevizan

Para que pudéssemos nos situar, foi feito um breve esboço histórico da ação Catequética.  Foi reafirmado que a catequese é um processo de Evangelização constante na igreja, e é todo o processo de educação da fé. Não é um trabalho sem vida, estático, mas um processo, um trabalho que tem um começo e está se encaminhando. Catequese não é apenas transmitir informação da bíblia, dos dogmas e orações. É fazer da pessoa GENTE, capaz de se conduzir na vida, de caminhar com seus próprios pés, capaz de escolher o bem maior: o amor a Deus e ao próximo.

Ser catequista é desenvolver a capacidade de contemplação, de compaixão, de encantamento, de escuta das mensagens e dos valores presentes no mundo à nossa volta.   A catequese tem como eixo central a Boa Notícia que nos reaviva a esperança e nos faz viver o amor, através da fé num Deus que quer o nosso bem, que é Misericordioso.

Cursistas : Bernardina, Eni Menezes, Neide Fernandes, Sônia e Vera Pimenta. Módulo I.

O  Módulo III teve aulas de Cristologia com o prof. Edward,  mais precisamente sobre o tema “Jesus na catequese”. As reflexões foram um convite para a experiência com Jesus humano, o homem de Nazaré que viveu para amar e servir, sendo glorificado pelo Pai no mistério da Ressurreição. Em sua humanidade e divindade todo cristão também é chamado a ser humano e divino, identificando verdadeiramente com a vida e missão de Jesus.

Nos dias 09 e 11, nós do módulo III tivemos ótimas aulas de espiritualidade com o prof.  Carlos Frederico. A espiritualidade é a força motora na busca de sentido para a existência humana.  Existem muitas espiritualidades nas diversas religiões e grupos religiosos. De modo especial a espiritualidade cristã é alimentada pela intimidade com o mistério de Cristo na vivência comunitária. Desde o ambiente familiar e religioso passando pelo ambiente de trabalho ou estudo, em todos os momentos somos chamados a viver nossa espiritualidade de forma madura e libertadora. Vida de oração,  meditação e silêncio interior são alguns caminhos.

Concluí o III módulo no IRPAC com o coração agradecido ao Deus da vida, da fé e da vocação. Foi uma experiência muito significativa marcada por novos conhecimentos e principalmente pela partilha de vida em cada gesto de afeto. Cada tema estudado, cada sorriso e cada abraço nos tornaram pessoas melhores, mais humanas, mais amadurecidas na fé e mais entusiasmadas com Jesus e nossa missão de educadores da fé. Minha gratidão a todos os irmãos e irmãs que me ajudaram a dar esse passo na travessia da vida.  Deus nos abençoe na construção do caminho.

Cursista André Lomba

Participar do IRPAC para mim foi revigorar o meu EU, através de tantos conhecimentos que me foram passados. É necessário compreender a razão pela qual se crê uma vez que o uso da razão solidifica a fé. Encontro-me fortalecida frente aos desafios que certamente virão. Quanto mais nos adentramos na busca de Deus, mais nos mergulhamos no mar absoluto D’Ele. Estamos em um processo de amadurecimento constante da nossa fé. Sinto-me banhada do amor de Jesus Cristo. Já estou na expectativa do Módulo II.

Vera Pimenta  – Módulo I – IRPAC 2016

A Palavra do Pastor
Mais que comemorar, celebrar

Mais que comemorar, celebrar

Quase diariamente temos a graça de celebrar o aniversário de pessoas queridas. E, nem sempre temos a palavra certa para...
Read More
Vigilância ativa e perseverança na fé Homilia – (Homilia 33ºDTCC)

Vigilância ativa e perseverança na fé Homilia – (Homilia 33ºDTCC)

Vigilância ativa e perseverança na fé  “É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!” (Lc 21,19) Na proximidade do final...
Read More
” Sofremos o amor perdido”

” Sofremos o amor perdido”

Disse o Senhor na passagem do Evangelho (Lc 21,5-19) proclamada no 33º Domingo do Tempo Comum (ano C): “Sereis entregues...
Read More
Cremos na Ressurreição da carne e na vida eterna – Homilia do 32° Domingo Comum

Cremos na Ressurreição da carne e na vida eterna – Homilia do 32° Domingo Comum

Cremos na Ressurreição da carne e na vida eterna Com a Liturgia do 32º Domingo do Tempo Comum (ano C),...
Read More
A DOR DA SAUDADE

A DOR DA SAUDADE

Há dores que podem ser aliviadas ou até mesmo evitadas; Desnecessário nominá-las, pois bem as conhecemos. Há, porém, dores que...
Read More
Catequese permanente, frutos abundantes

Catequese permanente, frutos abundantes

O tema da iniciação à vida cristã e a necessária catequese permanente, que nos possibilita um crescimento constante mais do...
Read More
” Senhor, fazei de nós instrumentos da Vossa paz…”

” Senhor, fazei de nós instrumentos da Vossa paz…”

“Senhor, fazei de nós instrumentos da Vossa paz...” Retomemos a oração conclusiva da Mensagem do Papa Francisco,  para o 52º...
Read More
Ela veio trazendo vida

Ela veio trazendo vida

  Com o Cântico de Daniel, louvemos o Senhor: “Águas do alto céu, bendizei o Senhor! Potências do Senhor, bendizei...
Read More
Quanto mais próximos do Altar, maior será a exigência de Deus para conosco! (Homilia – 30° Domingo do Tempo Comum)

Quanto mais próximos do Altar, maior será a exigência de Deus para conosco! (Homilia – 30° Domingo do Tempo Comum)

Quanto mais próximos do Altar, maior será a exigência de Deus para conosco! Com a Liturgia do 30º Domingo do Tempo...
Read More
A oração não dispensa compromissos

A oração não dispensa compromissos

As mãos que elevamos aos céus são as mesmas que na terra estendemos ao outro... A Liturgia do 29º Domingo...
Read More
Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: