A Ordem do (des)emprego

Vivemos em um país que não oferece aos jovens oportunidades reais de emprego. E pior: não se envergonha de tantos que vivem na ociosidade, na informalidade e, infelizmente, no crime e na violência.

Foto: Reprodução - Internet.

Foto: Reprodução – Internet.

Cerca de 7,7 milhões de estudantes do país estão realizando o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Jovens em busca de uma vaga em universidades públicas ou privadas. A perspectiva maior dos estudantes é a qualificação profissional. Muitos querem ingressar nas instituições de ensino superior para ocupar, posteriormente, os melhores cargos no mercado de trabalho.

Milhões de jovens à procura de qualificação profissional propõe uma discussão. Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o desemprego de jovens, no Brasil, com idade entre 15 e 24, deve atingir 15,5% (maior do que a média mundial) ainda este ano, isto é, cerca de 11 milhões ficarão sem emprego formal. O agravamento da crise econômica constitui um dos fatores desse problema social.

Os dados revelam que o número de jovens desempregados diminuiu em 3,3 milhões em relação ao ápice da crise, passando de 76,6 milhões em 2009 para 73,3 milhões em 2014. Segundo números divulgados pela OIT, neste ano deverá haver 201,6 milhões de desempregados no mundo, pouco mais de 2 milhões a mais do que em 2014. Deste total, 73,4 milhões são jovens com até 24 anos.

O relatório alerta ainda para o fato de que os jovens brasileiros, entre 15 e 17 anos, têm realizado trabalhos considerados perigosos ou insalubres, com risco de morte ou de enfermidades.

Cada jovem que procura, apoiado pela família, amigos, comunidade religiosa, ampliar as possibilidades de trabalho toma a decisão certa. O número daqueles que planejam, se preparam, ocupam alguma profissão no mercado, ainda é pequeno.

Vivemos em um país que não oferece aos jovens oportunidades reais de emprego. E pior: não se envergonha de tantos que vivem na ociosidade, na informalidade e, infelizmente, no crime e na violência.

Luís Carlos Pinto
Professor da educação básica

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: